Jornal e Educação: A parceria que deu certo

27 dez

A professora Taís de Araújo com sua turma na Escola Municipal Professora Maria Brizabela Bruxelas Zinader, mostrando o jornal produzido pela classe.

Quem vê a pequena Nataly Ramos Silva ansiosa todo domingo para ler o Comércio da Franca, não imagina que há alguns meses, a menina de nove anos nem olhava para o jornal quando a mãe comprava. A estudante do 5º ano “C”, da Escola Municipal Professora Valéria Teresa Penna, do Jardim Leporace III não era muito habituada a se dedicar à leitura e ,em sala de aula, apresentava certa dificuldade na escrita.Foi quando a professora Flávia Fernanda Ribeiro inseriu o jornal em suas aulas com o auxílio do Projeto Jornal Escola, que fornece doze assinaturas do Comércio para 12 escolas públicas de Franca.
Utilizando-se de atividades dinâmicas, como a da “reportagem maluca” (em que uma notícia baseada em uma frase inicial sugerida pela educadora é escrita pela classe, resultando em textos bem divertidos), a professora conseguiu despertar o olhar de seus alunos para o informativo impresso. “Trabalhar o Comércio foi ótimo, pois, as crianças se interessaram por vários tipos de texto, já que no jornal encontramos desde artigos de opinião até anúncios publicitários. A diversidade é muito rica.”, disse. Flávia ainda acrescentou que o desempenho escolar de várias crianças melhorou bastante após as atividades com o informativo impresso. “Os próprios pais comentaram nas reuniões.”, lembrou. A dona de casa Simone Cristina Ramos, mãe de Nataly, foi uma das que não deixaram de contar a sua satisfação com o trabalho realizado. “Eu fico muito feliz quando vejo minha filha contente abrindo o Comércio da Franca procurando pela coluna do Valdes Rodrigues, sua preferida. Hoje, ela adora ler.”, disse.
Na escola Municipal Professor Nelson dos Santos Damasceno, as atividades com o jornal fizeram tanto sucesso que renderam até a criação de uma mascote. A professora do 4º ano “A”, Maria de Lourdes Alves Pimenta, que também participou da série de oficinas pedagógicas do Grupo Corrêa Neves de Comunicação , “O jornal na sala de aula”, após trabalhar o Comércio com suas crianças, propôs que eles confeccionassem bonequinhos de jornal.E foi o que a turma fez. Ao final, Maria escolheu um deles para representar a classe e pediu sugestões para nomear o personagem. O nome escolhido foi “Jornalina”. A meninada fez a festa com a criação.
A professora Danieli Lino Justino, do 4º ano “D”, da Escola Municipal Professor Hélio Paulino Pinto, trabalhou fichas técnicas com sua turma, se baseando na seção “O Bicho da vez”, do suplemento infantil Clubinho do Comércio, publicado às quintas-feiras. Danieli também relacionou os animais estudados ao longa de animação “Os sem floresta”, de Tim Johnson, e Karey Kirkpatrick. Para a professora, isso enriqueceu o curso das atividades. A coordenadora da escola, Fabiana Santos da Silva Lima acredita que o contato com o jornal instigou as crianças das mais variadas formas. “Eles passaram a ser até mais criativos.”, ressaltou.
Lúcia Aparecida Souza, que dá aulas para o 5º ano “F” da Escola Municipal Professor César Augusto de Oliveira, fez uma abordagem do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) tendo como base as notícias do jornal.Voltando sua turma para fatos do cotidiano, Lúcia levou os alunos a uma reflexão crítica da sociedade por meio do projeto “Repensando a minha vida”, elaborado pela escola.Aluno do 5º ano “C”, da “César Augusto”, Luís Felipe de Morais Oliveira, 10, contou ter aprendido muito ao estudar sobre o jornal. “A gente não estava acostumado a lidar com tantas páginas e letrinhas pequenas e agora a gente entende. O melhor de tudo é estar por dentro das coisas que acontecem na cidade e na região.”, disse.
O 1º ano “A” da Escola Municipal Professor Milton Alves Gama também se divertiu com as curiosidades apresentadas pela seção “O bicho da vez”. Todas as semanas, a professora Marlene Cristina Vilas Boas, levava o “Clubinho do Comércio” para a sala e com seus alunos, montava “a ficha do bicho” de acordo com as informações do suplemento.
Os alunos da Escola Estadual Professor José Carlos Donadeli Panice criaram o próprio jornalzinho da escola. O informativo de 34 páginas dispunha de um conteúdo que englobava desde anúncios até textos sobre culinária. A Escola Municipal Professor Fausto Alexandre também montou seu jornal. As crianças confeccionaram as páginas do exemplar em papel jornal e o trabalho serviu para concluir as atividades realizadas em 2010.
Na Escola Estadual Professora Nadeide Scarabucci,o Projeto Jornal Escola também rendeu bons frutos em 2010.Os professores dos 4ºs e 5ºs anos, por exemplo, apresentaram às crianças, a estrutura de um jornal impresso e deixaram os alunos bem familiarizados com as páginas do Comércio. ”Nunca mais vou me esquecer o que é uma manchete.”, disse Lucas Dias, 9, aluno da professora Marvi Pettersen, da 3ª série “PIC”.
Na escola Municipal Professora Maria Brizabella Bruxelas Zinader, o telejornal do 5º ano “D” foi uma atração à parte.Após o trabalho com o Comércio da Franca, a turma elaborou o roteiro para um jornal de TV e sob as instruções da professora Rita Maria Costa, os alunos entrevistaram até mesmo a Secretária da Educação do Município Leila Hadad
A professora Gisele Ferreira Braga, da Escola Municipal de Educação Básica Frei Germano de Annecy ensinou aos seus alunos da Fase II, muitos deles em processo de alfabetização, as diferenças entre os diversos cadernos de um jornal. “Evidenciar a função social do jornalismo é muito importante para as crianças. Isso estimula o interesse pela leitura e, conseqüentemente, pela escrita.”, disse a educadora.
A Escola Estadual David Carneiro Ewbank também foi contemplada com 12 assinaturas anuais do Comércio pelo Projeto Jornal Escola. Fátima Silva Ramos, coordenadora do Ensino Médio, acredita que a adesão da escola ao projeto foi muito válida. “O contato com o jornal permitiu que nossos alunos tivessem uma boa base para a redação do Saresp (Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo).”, disse.
Para Márcia Regina de Almeida Santos, coordenadora da Escola Municipal Professor Domênico Pugliesi, o recebimento dos jornais pelo Comércio da Franca, ampliou de forma significativa o trabalho dos professores com o uso do impresso. “Todas as salas participaram e temos a destacar apenas pontos positivos dessa parceria entre mídia e educação.”

O grande final

15 dez

- Escolas municipais de Franca encerram atividades do ano com mostra de trabalhos pedagógicos

Rosemary Pelizazo na Escola Maria Brizabela Bruxelas Zinader

Durante os dias 02,03,04 e 10 de dezembro, por volta de 950 educadores da rede municipal de ensino trabalharam para promover a 6ª Mostra de Ações Educacionais das Escolas Municipais de Franca. Mais de 65 escolas organizaram exposições e apresentações musicais e teatrais sobre os mais variados temas na própria unidade de ensino, com o intuito de concluir as atividades do ano letivo e mostrar aos pais e à comunidade local um pouco do trabalho desenvolvido com os alunos em 2010.

Para Lúcia Cardoso, gerente de serviços da supervisão pedagógica e responsável pela mostra, a edição deste ano deixou muita gente surpresa. A educadora destacou que o resgate do trabalho com as artes plásticas e a abordagem da conscientização ambiental por parte dos professores deixou as exposições muito interessantes e, a maioria das escolas chegou a emocionar os visitantes pela riqueza dos trabalhos. “Todo mundo se esforçou ao máximo!”, disse.

Nicolas Moscardi Garcia, 9, aluno do 4º ano da Escola Municipal de Educação Básica Professora Maria Brizabela Bruxelas Zinader, do Jardim Luíza, estava ansioso para o dia mostra.O menino havia escrito seu próprio livro após trabalhar em sala de aula com um projeto de leitura desenvolvido pela escola. “Não via a hora de chegar o dia da exposição para mostrar meu livrinho para minha mãe.”.Cíntia Andréia Moscardi Garcia,mãe de Nicolas, não poupou elogios ao evento. “Essa iniciativa de expor os trabalhos é ótima. Tenho a impressão de que as crianças sentem até mais vontade de estudar com essa valorização do trabalho delas. É um incentivo e tanto!”

Um dos assuntos mais presentes nas mostras era “o jornal na sala de aula”. Nas exposições das nove escolas parceiras do Projeto Jornal Escola, que receberam exemplares do Comércio da Franca e desenvolveram projetos pedagógicos com o informativo impresso desde o começo do ano, o jornal era destaque. A professora do 4º ano “A”,da Escola Municipal Professor Nelson dos Santos Damasceno, Maria de Lourdes Alves Pimenta, após trabalhar o Comércio com suas crianças, propôs que eles confeccionassem bonequinhos de jornal.E foi o que a turma fez. Ao final, Maria escolheu um deles para representar a classe e pediu sugestões para nomear o personagem. O nome escolhido foi “Jornalina”. A meninada fez a festa com a criação, que, é claro, deixou mais bonita a mostra da escola. Maria de Lourdes acredita que o apoio do Comércio da Franca em 2010 foi fundamental para os resultados que puderam ser conferidos na mostra. ”Todo o suporte oferecido pelo Projeto Jornal Escola tornou nosso trabalho mais produtivo.”, disse a educadora.

Fotógrafo do GCN palestra para mais de 100 alunos

10 dez

Na manhã de ontem, o fotógrafo do Comércio da Franca, Marcos Limonti, fez uma palestra para mais de 100 crianças com idades entre 6 e 10 anos, na Escola Municipal Professor Fausto Alexandre, do Jardim Santa Bárbara. Durante uma hora e meia, Marcos contou suas experiências na cobertura da última copa do mundo, na África do Sul, abordou aspectos sócio-culturais do país e mostrou fotos publicadas no Comércio, contando a história de cada trabalho. O fotógrafo também falou sobre sua carreira e citou fatos inusitados que viveu ao longo de seus quatro anos de profissão.Ao final da palestra, as crianças receberam brindes e participaram de sorteios.

Elaine Muniz, diretora da escola, acredita que o contato dos estudantes com o fotógrafo permitiu que os alunos conhecessem uma realidade diferente da que as turmas vivenciam e que ter esse tipo de oportunidade é essencial para as crianças.

Para a coordenadora pedagógica, Maria Irismar de Oliveira, o relato das experiências pessoais de Marcos Limonti instigou a curiosidade das crianças. “Ele falou com emoção e isso contagiou os alunos.”, disse.

A aluna Laura Maria da Conceição Silva, 11, estudante do 5º ano “D”, esteve atenta a cada detalhe da apresentação de Limonti e contou ter ficado surpresa com a complexidade do trabalho de um fotógrafo. “É um trabalho que tem que ser muito valorizado.”, disse.

Lucas Damasceno Cintra, 9, do 4º ano “C” anotou em seu bloquinho, sob forma de tópicos toda a palestra e contou ter gostado de ver as fotos de animais sul africanos que Marcos Limonti mostrou .”Entender como ele fotografou os bichos foi muito legal.”, disse.

Com chave de ouro

9 dez

No decorrer da última semana, seis escolas fecharam a série de visitas ao GCN Comunicação em 2010. Desde a quarta-feira, 1º, cinco turmas de estudantes passaram pelas instalações da empresa e puderam conferir de perto cada processo envolvido na produção do Comércio da Franca e na elaboração do conteúdo transmitido pela rádio Difusora.

O 5º ano “D” da Escola Municipal “Professor Domênico Pugliesi” foi a primeira classe a conhecer a empresa. Acompanhadas das professoras Maria Elisabete Moreira Narciso e Michele das Graças Rodrigues, as crianças participaram de uma breve conversa sobre os gêneros jornalísticos e os vários tipos de caderno de um jornal, no auditório “Jornalista Corrêa Neves”. Após assistirem a um vídeo institucional, passaram por vários setores do GCN, aprendendo a função de cada um deles. Talison Gabriel de Abreu Melo, 11, é leitor assíduo do caderno Esporte e disse ter adorado conhecer o lugar onde ele é escrito. Além disso, contou ter gostado bastante de ver uma de suas colegas falando ao vivo na rádio Difusora. “Eu ri demais!”, disse às gargalhadas.

Após a visita da “Domênico”, o GCN recebeu outras quatro turmas: os quintos anos “A” e “D” da Escola Municipal “Professora Maria Brizabela Bruxelas Zinader”, o 5º ano “A” da Escola Municipal “Professor Nelson dos Santos Damasceno” e o 3º ano do ensino fundamental do Colégio Jesus Maria José.

Para a professora Vanessa Vilela Castro, da “Nelson Damasceno”, que trabalhou o jornal com seus alunos como forma de incentivo à leitura, ter contato com o ambiente em que o informativo impresso é produzido foi muito importante para sua turma. “O passeio voltou os olhares destas crianças para o jornal de uma forma bem legal. Tudo ampliou bastante o conhecimento delas”, disse. Ao final do passeio, as crianças receberam lanches fornecidos pela padaria Estrela e pelos Laticínios Jussara.

Um passeio inesquecível

2 dez

A manhã do dia 25 de novembro de 2010 foi inesquecível para Suzana da Silva Isaías. A menina de 12 anos, que há seis, estuda no Centro de Educação Especial da Unifran (Universidade de Franca), pode visitar, com outros 27 alunos de sua escola, as instalações do GCN (Grupo Corrêa Neves de Comunicação). Suzana contou ter gostado de tudo o que viu e chegou a se emocionar após conversar com o radialista Valdes Rodrigues ao vivo na Rádio Difusora. “O passeio foi muito legal. O Valdes é muito gentil. Eu adorei!”, disse a menina ao fim da visita, ainda com lágrimas nos olhos.

Márcia Fernandes, uma das professoras que acompanharam a turma durante o “tour” pelos corredores do GCN, explicou que a visita dos alunos foi muito significativa para eles porque os mesmos já mantinham um contato freqüente com o jornal durante as aulas. “Vir até aqui permitiu que as crianças notassem na prática o que explicamos na teoria.”

Além da turma do Centro de Educação Especial, outras quatro turmas também conheceram os bastidores da Difusora e do Comércio da Franca: o 5º ano “C” da Escola Municipal “Professor César Augusto de Oliveira”, o 5º ano “E” da Escola Municipal “Professora Maria Brizabella Bruxelas Zinader”, o 1º ano “C” e a fase II da Escola Municipal “Professor Walter Costa” e o 5º ano “F” da Escola Municipal “Professor José Mário Faleiros”. Os alunos conheceram cada departamento da empresa e ainda receberam lanches e brindes.

João Cardoso da Silva Neto, 11, aluno da “José Mário Faleiros”, gostou de ter visto de perto a máquina que imprime o jornal. “Antes de vir aqui, eu pensava que tudo era bem mais fácil de fazer”, disse. Vinícius Gonçalves dos Reis, 10, da escola “Maria Brizabella”, disse ter se divertido bastante durante a visita. “As pessoas que trabalham aqui são muito legais”.

Radialista do GCN revela curiosidades do rádio durante palestra para 120 alunos

25 nov

Na tarde de ontem, cerca de 120 alunos dos 4ºs e 5ºs anos da Escola Estadual José Carlos Donadelli Panice, do Jardim Panorama, assistiram a uma palestra sobre comunicação com a radialista Cíntia Flávia, da rádio Difusora de Franca. Durante cerca de uma hora e meia, Cíntia, que é comunicadora há onze anos, contou aos alunos sua trajetória profissional, mostrou fotos de reportagens marcantes que já fez e ainda explicou às turmas, como são feitas as transmissões da Difusora e quais são as diferenças entre o som e a locução de uma rádio A.M e de uma rádio F.M. Ainda abordou questões éticas e destacou a função social do radialista.Ao final do bate papo, as crianças receberam brindes e participaram de sorteios.

A palestra foi uma iniciativa do Jornal Escola, projeto do GCN (Grupo Corrêa Neves de Comunicação), que busca aproximar estudantes das mais variadas faixas etárias a veículos de comunicação, a fim de trabalhar o caráter crítico dos alunos.

Para Solange Barbosa Cunha da Costa, professora da 4ª série “F”, a palestra despertou a atenção das crianças para coisas que elas não conheciam. “A Cíntia Flávia detalhou sua rotina de uma forma alegre e bem humorada, falando o que quase ninguém conhecia. Isso chamou a atenção das turmas.”

Israel Uriel Rodrigues, 10, aluno da 4ª série “F” ficou empolgado com a visita da Cíntia Flávia à escola e disse ter aprendido uma grande lição durante a palestra. “Quando ela contou que caiu quando foi fazer sua primeira reportagem, aprendi que mesmo caindo, não devemos desistir de nossos sonhos.”, disse.

Repórter do GCN debate rotina de jornalista com 200 alunos

23 nov

Na tarde de ontem, mais de 200 alunos da Escola Municipal “Professora Maria Brizabela Bruxelas Zinader”, no Jardim Luiza, assistiram a uma palestra com a repórter Nelise Luques, que há sete anos integra o GCN (Grupo Corrêa Neves de Comunicação). Durante trinta minutos, a jornalista falou sobre suas experiências profissionais, contou os motivos pelos quais escolheu sua profissão e despertou a curiosidade das crianças pelos bastidores de uma redação. Em seguida, os estudantes com idades entre 8 e 11 anos puderam fazer perguntas à repórter. Ao final, as turmas receberam brindes e participaram de sorteios.

A palestra foi uma iniciativa do Jornal Escola, projeto educativo do Comércio da Franca, que tem por finalidade inserir o jornal nas salas de aula como forma de incentivo à leitura.

Taís de Araújo, professora do 5º ano “E” acredita que a visita da repórter tenha ampliado o conhecimento de seus alunos. Além disso, a educadora destacou que a jornalista passou a ser uma referência para as crianças. “Muitas delas agora já pensam até em ser repórteres”.

Thiago Oliveira, 10, e Igor de Abreu, 10, escreveram, recentemente, alguns textos para o jornal e sonham ser jornalistas. Os dois ficaram com mais vontade de trabalhar na área da comunicação. “Escrever sobre coisas importantes para a vida das pessoas deve ser muito legal.”, disse Igor.

A repórter Nelise Luques considerou a experiência muito enriquecedora. “O encontro foi ótimo. É uma troca de conhecimentos para os dois lados, o deles e o meu”, disse.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.